top of page

Beleza na Melhor Idade: Um mercado a ser explorado

"Enfatizar apenas o belo parece-me como um sistema matemático que apenas se importa com os números positivos."

Paul Klee



Primeiro, precisamos falar da importância da autoaceitação da idade, do amadurecimento.


Platão diz que a Beleza absoluta é o brilho ou esplendor da verdade. Platão associava o belo ao bem e à verdade.


Para Sócrates, “o belo é o útil”. Ou seja, a beleza não está associada à idade, à condição financeira, à aparência, mas ao seu caráter, seus valores, o que você faz para si mesmo e para os outros.


No termo grego mais próximo para beleza ou belo é Kalón: significa aquilo que agrada, que suscita admiração, que atrai o olhar.


A beleza tem representado a manifestação do bem-estar do indivíduo, da saúde do corpo e principalmente o elemento de maior participação na autoestima. O belo hoje está marcado pela emoção, pela autonomia, pela alegria, pela transparência dos seus medos, suas angústias, suas

fraquezas, suas emoções. O belo moderno, é saber aceitar o que você é de verdade.


Como artista visual posso dizer que para o artista o belo é um momento de introspecção e preconhecimento de um mundo livre e diferente. O belo na arte se liberta de todos os contextos e

estereótipos, e o olhar se impõe como um instrumento de sabedoria.


Podemos dizer que a beleza externa estava associada à beleza interna, a nossa espiritualidade, à nossa inteligência e sabedoria. A partir de 50 anos, as alterações hormonais podem promover sim o aparecimento dos sinais da idade, como rugas, flacidez e a perda de viço, mas isso não significa que perdemos a beleza, pois nossa beleza está no que somos e não no que adquirimos. A nossa idade não influencia na beleza, pois cada pessoa tem sua beleza interior que transcende o exterior.


A beleza aos 50 é a felicidade, é estar bem consigo mesmo. Ser belo ou bela na Melhor Idade, é se olhar no espelho e enxergar uma imagem de alegria, de paixão, de amor, prosperidade, de beleza

refletida no espelho. Ama-te e verá sua beleza espalhada para todos.


Embora as pessoas estipulem padrões, o ideal é você se sentir bem com o seu corpo, sua saúde, seus cabelos — enfim, como você realmente é. Em suma, a beleza da mulher ou do homem na melhor idade, está na sua autoaceitação. A partir do momento que você aceita a sua imagem como ela realmente é e se cuida a partir dessa perspectiva, você se sentirá mais bela ou belo, elegante e, acima de tudo, mais feliz e disposta a ser quem você é ou queira ser.


No Brasil, poucas empresas estão dando o valor necessário a esse público que cresce exponencialmente. A indústria de cosméticos saiu na frente na exploração desse público, mas infelizmente, outros setores ainda são insuficientes. Sabemos que em pouco mais de 20 anos, o número de pessoas acima de 60 anos no Brasil, ultrapassará o de crianças e adolescentes de até 14 anos, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Esta pesquisa realizada em 2018, mostrou que em 2030, o Brasil terá uma população com mais de 19 milhões de pessoas "idosas" acima de 80 anos. Com certeza será um impacto grande na sociedade e merece um estudo e políticas pública para atender a esse público que cresce e está vivendo cada vez mais.


Indústrias do setor alimentício, saúde, moda, esportes, lazer, turismo, entre outros, deverão voltar seus olhares e estudos para essa Geração Prateada, que ao contrário do que muitos pensam, não estão aceitando “qualquer coisa”. Falo por mim, que já faço parte dessa geração, falo pelas amigas e amigos que buscam beleza, satisfação, bem-estar, diversão, com maior qualidade voltado para nossas necessidades.


Hoje levanto um movimento para mudar a nomenclatura, de "idoso" aos 60 anos, pois sabemos que não condiz mais com nossa realidade.


Se você procurar o significado de idoso, irá encontrar respostas como essa:

Idoso é sinônimo de: ancião, antigo, velho, vetusto.


Não somos, não nos sentimos velhos. Os outros nos veem como velhos, mas nós nos sentimos jovens experientes, com muito a ensinar e também a aprender. Estamos estudando mais, procurando novidades, acompanhando a moda, vivendo a vida como nunca vivemos antes.


Portanto, quero chamar a atenção das indústrias, que aproveitem bem essa grande fatia desse público, oferendo o melhor. Temos voz para falar, não queremos ser manipulados, esquecidos,

comparados a qualquer outro público, porque somos únicos, com gostos, ideias, críticas, dores, desejos e satisfações que somente nós entendemos. É uma nova tribo de jovens senhores e senhoras que sabem o que querem.


Aprenda a nos ouvir e ganhe dinheiro com isso!


Por Malu Iasuki- Coach empresarial e mentora em negócios.

Especialista em Gestão Produtiva e Lucratividade.

41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page